Cultura e Turismo Obras de renovação e restauro concedem traça original à Casa de CamiloCOVID-19 Marchas Antoninas 2021 canceladasAmbiente Cortes no abastecimento de água em Pousada de SaramagosAtualidade INE recruta 11 mil recenseadores para os Censos 2021 para conhecer os portuguesesCOVID-19 Câmara de Famalicão implementa novas medidas para o período de confinamentoAtualidade Famalicenses mostram veia solidária COVID-19 Famalicão alarga entrega gratuita de refeições ao domicílio para todos os dias da semana ao jantarSaúde Câmara equipa dez infraestruturas municipais com desfibrilhadores automáticosAmbiente Realização de podas na Avenida 25 de AbrilCOVID-19 Técnicos do município apoiam no rastreio à Covid 19Freguesias Joane vai ganhar um novo espaço multiusosEmpreendedorismo e Inovação Pão fresco à porta de casa chega ao digitalAtualidade Intervenção urgente vai obrigar ao corte de trânsito na Rotunda Parque 1.º de MaioMobilidade Intervenção na Rotunda do Parque 1º de Maio obriga alterações ao trânsito entre 15 e 31 de janeiroReabilitação Urbana Programa Estratégico de Reabilitação Urbana para o centro de Famalicão está em discussão públicaCultura e Turismo Casa das Artes mantém oferta diversificada para todos os públicosCultura e Turismo “Programar em Rede” com candidaturas abertasAtualidade Famalicão cancela Carnaval 2021Reabilitação Urbana Centro urbano de Famalicão vai ter sistema inovador de drenagens sustentáveisEducação Rede de formação profissional com 400 mil horas disponíveisAtualidade Candidaturas ao Prémio “Minho Storytelling – Novos Olhares sobre o Minho” com prazo alargadoAtualidade Voto antecipado nas presidenciaisDesporto Câmara já apoiou a colocação de iluminação LED em 20 recintos desportivosAtualidade Novo boletim municipal aponta o caminho do futuro em Famalicão
O SEU LUGAR

Residentes / Cultura Arquivo Municipal Alberto Sampaio

Arquivo Municipal Alberto Sampaio

Rua Adriano Pinto Basto
4760 - 114 V.N. Famalicão

T: 252 312 661

Se o arquivo municipal acompanhou sempre, como é óbvio, a Secretaria Municipal, dando aliás origem a várias queixas por falta de espaço disponível a partir dos anos de 1930, só em 1946 é que o historiador famalicenses Vasco César de Carvalho no seu livro 'A Justiça’, pretendeu sugerir algumas alternativas para os espaços culturais da autarquia.

'Mas rematemos dizendo que ficamos esperançados ver neste edifício, pelo seu passado respeitável de tradição marcadora nos primórdios da independência da nossa terra, e por lhe ter bastado o cansaço da sua missão posteriormente imposta, e da afronta com que o denominam, que passará um dia a ser o Museu e a Biblioteca Pública de Vila Nova de Famalicão'.

Ainda não era precisamente o Arquivo Municipal, mas parece não haver dúvidas de que se este projecto tivesse sido concretizado na época, o arquivo acompanharia quer o museu quer a biblioteca.

Aliás, e numa entrevista dada pelo então Presidente da Câmara Municipal, Álvaro Folhadela Marques, ao jornal 'Correio do Minho', em 9 de Fevereiro de 1947, este autarca anunciava, entre outros projectos, a 'adaptação da antiga cadeia para instalação de serviços públicos, entre os quais a biblioteca e o arquivo municipal'.

Exactamente um ano depois, no jornal famalicense 'Estrela do Minho', de 15 de Fevereiro de 1948 era publicada a 'Relação das Obras aprovadas pelo Ministério das Obras Públicas para 1948-1949', entre as quais permanecia a adaptação da antiga cadeia a biblioteca e arquivo municipal.

Infelizmente outras prioridades se impuseram e, quando dos incêndios que em Abril e Maio de 1952 destruíram o edifício dos Paços do Concelho e o prédio onde tinham funcionado as Escolas paroquiais Conde de S. Cosme do Vale (entretanto adaptado de emergência a Paços do Concelho), o arquivo municipal sofreu uma destruição brutal prolongada por anos sucessivos de incúria na preservação do que tinha sido possível salvar daqueles dois incêndios.

A partir de 1 de Julho de 1983, foi possível começar a recolher e organizar a documentação que viria a integrar o Arquivo Municipal, sendo curiosamente instalado nos antigos Paços do Concelho, onde o historiador Vasco de Carvalho e a listagem de obras aprovada pela Câmara e autorizada pelo Ministério das Obras Públicas, nos anos de 1946-1949, já tinha preconizado.

Diga-se, desde já, que esta organização do arquivo iniciada em 1983 abrangeu apenas o 'arquivo histórico'.
Mas logo em Fevereiro de 1984 o 'arquivo intermédio' foi anexado ao 'arquivo histórico' neste esforço de criação do sistema de arquivo da Câmara Municipal, situação que se manteve até 1992.
Nesta data e fazendo parte de uma nova reorganização dos serviços da Câmara Municipal, foi criada a Divisão de Arquivos, dando assim tradução institucional a uma realidade já com oito anos de existência.

Foi assim criada um condição básica ou uma regra essencial para um arquivo municipal, qual seja o reconhecimento que a gestão do arquivo tem uma importância, especificidade e dignidade suficientes para ser reconhecida quer nos regulamentos orgânicos dos serviços, quer nos respectivos quadros de pessoal.

Referem-se estas datas apenas para sublinhar que desde o princípio da organização do arquivo da Câmara Municipal e, de certeza, de forma absolutamente pioneira em relação à prática da esmagadora maioria dos municípios portugueses, esta regra fundamental foi respeitada.

Actualmente, e a partir deste mesmo ano de 2010, a Divisão Municipal de Arquivos está integrada no Departamento de Cultura e Turismo.


Acervo

O Arquivo Municipal reúne um valioso espólio, devidamente organizado e descrito. Ao longo dos anos o Arquivo Municipal incorporou a documentação municipal e outros fundos públicos, bem como vários arquivos particulares, dos quais se destacam figuras de renome nacional.

Os fundos reunidos no Arquivo reflectem a preocupação em recolher prioritariamente a documentação dos organismos públicos e os arquivos pessoais e/ou familiares.
Saiba mais sobre o Arquivo Municipal
Visite o website